Ensaios Patagônia Argentina

Aline & Rafael

Quero começar esse textão com uma recomendação aos meus filhos, Sophia e Bento.


Crianças, as únicas coisas que jamais poderão tirar de vocês serão as suas experiências e com todo o amor do mundo o papai os aconselha: VIAJEM! <3


E outra recomendação faço à todos os que leem esse post nesse exato momento, conheçam o Fim do Mundo, incluam a Patagônia Argentina em seus planos de viagem e tenham a certeza de que não irão se arrepender! :)

 

Agradeço ao casal Aline e Rafael, hoje nossos amigos, por confiarem à nós a grande missão de eternizar essa viagem que há tantos anos foi sonhada por um Rafa ainda criança, que ao assistir uma matéria especial sobre o Fin Del Mundo na televisão, se apaixonou pelo que viu e não desistiu desse sonho de menino.


A nossa participação nessa aventura teve início em um bate-papo descontraído pela internet, tanto o Rafa quanto a Line já conheciam o nosso trabalho e nos disseram que iriam se casar. A conversa se estendeu para um cachorro quente, em seguida uma roda de violão e, voilà, os planos da viagem foram apresentados, tudo acertado, data marcada, passagens compradas e meses se pareceram dias, dias se tornaram horas e a nossa tão esperada aventura se iniciou no dia 12 de março de 2019, quando embarcamos no aeroporto de São Paulo com destino à Patagonia Argentina, ou melhor, o Fim do Mundo.


Ushuaia é a capital da província da Terra do Fogo e fica a 6300km de distância de São Paulo, uma viagem longa com uma pequena parada na capital do tango, Buenos Aires. Ao desembarcarmos no pequeno aeroporto de Ushuaia, a brisa gelada nos disse olá, a atmosfera local nos trouxe paz e nem imaginávamos que o taxista Ramiro do qual nos tornamos amigos, estaria conosco até o nosso penúltimo dia naquela cidade.


Os noivos reservaram uma casa muito gostosa para nós via Airbnb, nossa estada não poderia ter sido melhor, nossos anfitriões Vittorio e Patrícia foram impecáveis e nos receberam de braços abertos, pessoas que estarão sempre em nossos corações.


No dia da nossa chegada, após um delicioso almoço em um dos restaurantes da principal rua da cidade, optamos por passear pouco e descansar já que a viagem havia sido longa, conhecemos algumas ruas da cidade e como deveria ser, já descansados, celebramos com cerveja no Hard Rock Café e terminamos em um Pub Irlandês diferentão.


No dia seguinte logo pela manhã, nosso taxista nos levou ao Parque Nacional Tierra Del Fuego, onde pudemos apreciar paisagens incríveis, clima delicioso e ainda conhecer a unidade dos Correios mais austral do planeta terra, de onde encaminhamos cartões postais para o Brasil. Ahhh, aproveitamos e também conseguimos os tão almejados carimbos em nossos passaportes.


Após deixarmos o Parque Nacional, fizemos uma parada rápida na Ferrovia do Sul da Fuenga, onde se localiza o famoso trem do fim do mundo, movido a vapor, tendo seus trilhos construídos pelos antigos prisioneiros da cidade.


Seguimos em direção a Laguna Esmeralda, uma pequena lagoa encravada numa das montanhas da região, o acesso foi terrestre e caminhamos por quatro horas (ida e volta) por uma trilha em meio a um cenário cinematográfico. (Ainda irei escrever um texto no Medium sobre a nossa experiencia durante essa trilha até a Laguna Esmeralda, foi bastante especial.)


Chegando aos pés da Laguna, Rafa e Line reafirmaram seus votos e diante de toda essa beleza, trocaram alianças. Dia especial, singular e inesquecível!


Ahhh, quando finalizamos a trilha, Ramiro (el Taxista) nos aguardava como havíamos combinado. Estávamos imensamente cansados e sujos de lama. Chegando na cidade, perguntamos à ele se conhecia alguma boa pizzaria por perto, respondeu que sim, perguntou nossas preferências, pegou o celular e fez uma ligação. Minutos depois estacionou o carro, desceu e voltou com a pizza em uma das mãos e uma garrafa de coca-cola na outra, num gesto simples porém de grande valor e cuidado. Teremos para sempre em nossas memórias todo o carinho que recebemos em Ushuaia.


Para o nosso terceiro dia, tínhamos planos de conhecer o Glaciar Martial ou Vinciguerra, o que acabou não acontecendo, já que o dia amanheceu chuvoso e também estávamos bastante cansados para encarar as horas intensas de trilha.


Como tudo acontece por uma razão, esse plano que acabou não se concretizando deu espaço a um dos momentos mais importantes da viagem, nosso incrível anfitrião Vittorio, sem obrigação alguma nos levou em seu carro para conhecer outros lugares da cidade, como um penhasco com vista para o mar, a desativada prisão regional, o antigo aeroporto e ainda nos levou para almoçar em um restaurante super aconchegante. Vittorio e sua esposa fugiram do óbvio, superaram nossas expectativas e esperamos poder reencontra-los numa próxima oportunidade.


Finalizamos o dia com um passeio delicioso de barco pelo canal de Beagle, onde por horas pudemos apreciar belas paisagens, ilhas com lobos marinhos, pinguins, aves diversas, animados golfinhos e o famoso Farol do Fim do Mundo, um dos cartões postais de Ushuaia. Durante o percurso tomamos chocolate quente, fizemos amizades e curtimos um vento gelaaaaaaado fora da embarcação, rsss.

Ao final do passeio, início da noite, caminhamos pelas ruas da cidade, fizemos fotos e jantamos pancho.


Nos despedimos de Ushuaia com o coração apertado e aquela vontade de passar pelos menos uns 30 dias por lá. Seguimos até o pequeno aeroporto e pegamos um voo em direção à nossa próxima parada, Calafate.


Já na pequena cidade de  El Calafate, na província de Santa Cruz, pegamos um taxi que nos levou ao que antes era o antigo aeroporto da cidade e que agora deu vida a uma pequena vila, com poucas casas e que manteve as ruas largas feita para as antigas aeronaves. Ficamos hospedados em um charmoso chalé de madeira com um gramado no quintal, onde sentávamos e apreciávamos o por do sol. Sol esse que brilha num tom especialmente vermelho em Calafate, lindo.


Cidade muito charmosa, com uma longa avenida cheia de lojinhas e agencias de turismo, ahhh, não podemos esquecer de mencionar os cachorrinhos de rua, ou melhor, os perros. São muitos, dos mais variados, dóceis e inteligentes, também fizemos amigos caninos, principalmente a Aline, que tem um jeito todo especial com os bichinhos.


Caminhamos bastante, conhecemos cantinhos especiais da cidade, degustamos comidinhas diversas (também cozinhamos). Foram dias especiais e a internet no chalé não era das melhores, o que nos fez aproveitar ainda mais tudo o que tínhamos a nossa disposição.


El Calafate é a cidade mais próxima do Parque Nacional Los Glaciares, onde pudemos conhecer o imponente Glaciar Perito Moreno. Não posso deixar de mencionar que o trajeto de 80km que fizemos de ônibus até a geleira nos permitiu mesmo que através da janela apreciar belíssimas paisagens.


Quando fizemos a primeira parada, no topo de um monte de onde pudemos encarar pela primeira vez esse gigante da natureza, perdemos o ar diante de tanta beleza. Voltamos ao ônibus e seguimos em direção as passarelas que nos permitiram observar de pertinho o glaciar.


Foram centenas de degraus até estarmos frente a frente com ele, deslumbrante, milenar, com toda sua grandiosidade de cair o queixo. Ali, tivemos aquela que seria uma das experiências mais incríveis de nossas vidas, uma estrutura natural de puro gelo com 250 km² de extensão e picos de 70 metros de altura soprava numa brisa fria um sentimento divino nos lembrando de nossa pequenez diante de toda essa beleza. Talvez ali, no Perito Moreno, seja um dos lugares onde Deus descansa.


Tivemos também a oportunidade de caminhar sobre esse gigante, com uma equipe devidamente treinada e nossos sapatos equipados com grampos de neve. A cada passo éramos tomados pela sensação de gratidão, por poder estar ali e desfrutar daquele momento. Sentimos o frio em nossas mãos, experimentamos de suas águas e ao final do mini trekking, um copo de whisky com gelo do glaciar nos aqueceu e trouxe de volta em terra firme.


Ouvíamos ruídos estrondosos de trovões em meio a um dia de sol com céu azul, era a geleira nos cumprimentando enquanto seus imensos blocos de gelo se desprendiam e criavam um espetáculo sem igual.

Jamais nos esqueceremos desse momento, o fôlego demorou a voltar.


Energias renovadas e já descansados, acordamos bem cedinho, o sol ainda não havia raiado e com um carro alugado seguimos em direção à El Chalten, a cidade mais recente da Argentina.


Já na Ruta 40, seguimos por algumas horas enquanto no céu o sol nos presenteava com um espetáculo de luzes e cores, com seus mais variados tons e gradientes. Fizemos algumas paradas para apreciar esses encantos, nosso destino era o famoso Monte Fitz Roy, o que não esperávamos era que o trajeto todo seria tão incrível.


E quando o avistamos? E quando essa montanha localizada na fronteira com o Chile nos desejou bom dia? Ali, após todos os encantos que a viagem havia nos trazido até o momento, agradecemos aquele finalzinho de jornada que se dava com chave de ouro, aos pés dos seus 3.375 metros de altura, nos despedimos dessa que sem dúvida foi a viagem que mais nos marcou espiritualmente e nos permitiu viver momentos extraordinários.


Agradeço à Deus, pai e criador de toda essa perfeição, aos noivos Aline e Rafael pela confiança e oportunidade e a minha esposa, amiga, companheira de aventuras e fonte de inspiração Mila por estar sempre ao meu lado e dividir comigo momentos de tamanha beleza.


Sophia e Bento, aventurem-se, apreciem o belo e o novo, a vida é bela!


Ps.: Filho, quando te disserem que a segunda opção para o seu nome era Vittorio, já saberá o porque.


Fiquem com as fotos! <3